quinta-feira, 12 de maio de 2016

Acordei pra Mim

Durante toda a minha vida eu fiquei buscando algo que não sabia o que era. Eu passava dia após dia tentando imitar algo fora de mim, mas que se enquadrava no que os outros queriam. Sempre achei minha mão muito grande, meu cabelo muito fino, meus seios pequenos, minha risada exagerada, meu corpo fora dos padrões estilo "gostosona", dentre vários outros defeitos, que no fundo eram as mais belas qualidades que eu possuía. Eu não via isso em mim como um presente de Deus, porque achava as outras mulheres mais lindas com suas mãos miudinhas e seus seios fartos. Passei boa parte da minha vida chorando sozinha por me sentir uma menina pobre e que os meninos mais cobiçados nunca iriam olhar. Mas eu não me lembrava mais que na verdade, os meninos mais lindos do colégios me disputavam no tapa. Claro que eu não via isso, pois estava tão ocupada inveja as outras meninas com seus "corpões" e suas cabeças com cabelos lindos e sedosos, porém sem cérebro. Eu cresci e me casei, só não entendi até hoje porque eu fiz isso, afinal, eu não o amava. Ah, lembrei, eu casei porque todos casam e como todo mundo era meu espelho, eu também queria ter meus filhos, minha casa, cozinhar para um homem e não precisava ser alguém especial, bastava ser homem e me sustentar, porque mulheres criadas para casar e ter filhos, só sabem cuidar da casa e dos filhos. Eu tinha tudo isso, só não entendia o que faltava ainda. O sonho havia se realizado e porque ainda sobrava espaço dentro de mim? O fato é que eu era mais um robozinho que a sociedade e a família haviam programado. Eu não podia errar, eu não podia decepcionar e frustrar os sonhos que outras pessoas haviam sonhado pra mim. Sabe, o tempo passou e o conto de fadas, era de fadas, descobri isso à pouco tempo. Graças à Deus eu descobri a tempo de não ser engolida pelas pessoas falsas e hipócritas que povoam a Terra. Eu acordei antes que tudo se acabe e meus olhos se fechem. O problema de acordar do pesadelo que foi sua vida é que os outros continuam dormindo. Como viver lúcida dentro de uma fantasia coletiva? É fácil, eu descobri uma prece infalível. Você pega um microfone e grita bem alto: "Vão se foder". Depois de fazer isso você descobre que não precisa mais fingir que gosta de pessoas que no fundo você não suporta. Não precisa mais fingir que gosta de ir para a cama com alguém só para não ser chamada de frígida. Não precisa mais perder seu tempo expondo sua vida em redes sociais ou querendo saber tudo da vida dos outros. Você não precisa mais ser a quela mãe que sua mãe foi pra você, agora você pode ser amiga dos seus filhos, pois você acordou. Agora você pode dizer que é melhor ganhar dinheiro do que ser pedida em casamento. Tá, mas e agora que eu posso fazer e dizer, sem fingir, eu virei a pessoas estranha que não se enquadra mais em nada? Quer dizer que temos que fingir que somos felizes para podermos ser aceitos? Eu nunca fui tão feliz, mas não tenho amigos e sinceramente, não me faz falta, mas então, porque as pessoas não entendem que estou bem como estou, que nunca meus negócios foram tão bem? Que eu só vou pra cama com quem eu quero e não com quem me escolhe. Que sempre que eu tenho um tempo pra mim, eu me divirto muito sozinha, meditando. Eu gostaria antes de mandar o mundo pro inferno, dizer que eu desejo do fundo do meu coração que antes que a vida de vocês termine, vocês descubram que tem aí dentro de vocês, um espírito, que só vai se manisfestar, no dia em que tudo o que está fora de você, não tiver importância e talvez nesse dia, vocês parem de tentar encontrar respostas para a maneira com que eu escolhi pra viver. Obrigada meu amado Universo, por não fazer de mim uma escrava de WhatsApp, Facebook, Instagram, etc... Obrigada por me livrar da necessidade de expôr meu corpo ou minha vida e assim me sentir alguém melhor. Obrigada por me colocar no caminho certo para que eu encontrasse a felicidade aqui dentro de mim e me dar a s ferramentas para que eu posso expressar o que sinto por mim mesma e assim ajudar quem ainda quer uma mudança interna e está correndo atrás do tempo perdido ou do tempo gasto com coisas inúteis.

- Silvana Hennicka!