sábado, 16 de janeiro de 2016

Me Permito Continuar Errando!

Se eu tivesse a capacidade de não mais quebrar a cara, talvez eu me sentisse melhor, mas ao mesmo tempo, eu estaria morta, habitando esse corpo cheio de vida. Não quero parar de errar. Não quero que minhas lágrimas sequem nem que a paixão desapareça da minha vida. Por decisão própria, eu quero viver todas as emoções que me forem permitidas, pois com as feridas que adquiri na minha trajetória, aprendi a não sofrer com pessoas hipócritas que cruzam o meu caminho. Vou me lançar sim do penhasco dos sonhos, pois tenho certeza, aprendi a voar. Vou viver intensamente todas as sensações que o amor me proporcionar e as loucuras que me forem entregues... Não é porque alguém um dia me prometeu o céu e me levou de olhos vendados até o inferno, que eu deixarei de acreditar que ainda exista um príncipe em algum lugar, mesmo que ultimamente, eu só consiga enxergar os cavalos. Eu já pedi a Deus que me desce uma vida comum, como a maioria das pessoas possui, mas imediatamente eu recusei qualquer coisa que não fosse forte o suficiente para me fazer perder a razão. Quero que me falte o ar, quero poder gritar, poder lançar contra a parede, quantos copos forem necessários para chamar a atenção de alguém, quero correr riscos... Não me importo com nada, quero mesmo é exteriorizar essa alma que habita o meu peito. Não me peça para ter cautela, tudo o que arrisco me pertence e eu te permito observar de longe, como se faz para viver e não apenas sobreviver pelas convenções do mundo. Apenas por ser mulher, eu já deixem de ter medo há muito tempo e me faço de surda quando tentam me arrastar para trás com palavras carregadas de inveja. Admito que já me fiz de vítima das circunstâncias, em uma época onde um projeto de vida a dois, me cegou e eu permiti que cortassem as minhas asas, as mesmas asas, que hoje eu protejo dos olhos do mundo e principalmente, dessa coisa surreal que chamamos de paixão, essas reações químicas que fazem com que a gente erre bem mais do que deveria, mas que nos permite sentir sensações inesquecíveis. Hoje eu escolho para onde voar e só volto para casa, quando acho que chegou a hora, não quando alguém me chama. Minha liberdade foi uma conquista, não um presente e é por esse motivo que eu dou valor a ela e a todas as coisas maravilhosas que estou recebendo hoje, principalmente, a independência que me permite viver só, mesmo cercada por uma multidão e me faz ter pena de certas pessoas que vivem uma vida de frustração, apenas para continuar usando outras pessoas como muleta. Tenho pena, pois sei que a infelicidade ronda qualquer pássaro que vive dentro de uma gaiola, assim como essas pessoas, que vivem nessa prisão sem grades, chamada de relacionamento sem amor, sem emoção e sem perspectiva de futuro. Afirmo que vou continuar quebrando a cara, mas agora, por opção, não por falta de razão, pois nada melhor do que os próprios erros do passado para corrigir o nosso futuro e nos dar essa sensação de vida plena no presente. Ninguém precisa me dizer que estou correndo riscos, pois só eu sei o que me pertence e o que me faz e assim vou envelhecendo com o coração e o olhar radiante.
Silvana Hennicka!!