domingo, 6 de dezembro de 2015

Em Um Dia de Inverno!


Preguiça que dá sair da cama com esse frio, mas pior ainda é não ver o branco da geada lá fora. Pior é não ver as pessoas com tocas, luvas e cachecóis, indo apressadas para mais um dia de trabalho. Pior que o frio é não tomar aquele café quentinho com uma torrada feita na hora, enquanto checa os e-mails para ver se não tem nada importante.... A vida é tão simples, basta ser vivida, mas então por que não consigo ir em direção ao que me propus? Tenho tudo e, no entanto, parece que falta algo que não sei explicar o que é. Como acabar com esse vazio que me consome dia após dia? O que foi tirado daqui de dentro deste peito idiota que tá sempre querendo coisas impossíveis? Como dar um basta a isso tudo e parar de sofrer, para simplesmente voltar a viver? Por que eu ainda choro ao lembrar-me dos sonhos que se dissiparam com a tempestade, se eu sabia que eles eram frágeis como cristal e que deveriam ter ficados guardados em um lugar seguro? Fui eu quem vacilou ao achar que eles seriam eternos e indissolúveis. Eu deveria ter dado um passo de cada vez e não ter apostado todas as minhas fichas em palavras doces e atitudes impensadas. Hoje, eis que estou aqui, pagando o preço que me é cobrado, apenas por ter sido ingênua ao acreditar que o amor era maior que tudo, que nada poderia me atingir, bastava fechar os olhos e sonhar... Não tem como viver assim, de sonhos, pois um dia a gente acorda e percebe que as pessoas mudam e os sonhos desaparecem, tanto da sua mente quanto da mente de quem sonhou com você e o resultado disso se chama tristeza e solidão. Uma hora a euforia do recomeço me faz sentir imortal e no minuto seguinte, uma imagem tatuada na mente, traz em sua moldura um poço escuro, que tem o poder de arrancar lágrimas destes olhos que já brilharam tanto em momentos de pura emoção. Eu não sei de onde tirarei forças, mas nunca mais me permitirei sentir pena de mim mesma. Eu sei que sofro, tenho crises periódicas de tristeza, mas nunca, nunca mais eu terei minha auto piedade em evidência pelos atos dos outros e pelos meus próprios atos, afinal, eu acreditei no que eu quis acreditar, eu fiz o que pensei ser bom pra mim e sentir pena agora, não vai me fazer voltar no tempo e recomeçar, pois o que quero hoje é um "começo" e não um "recomeço". Quero partir do zero e tentar não errar tanto desta vez, quero não deixar minha felicidade nas mãos de ninguém e não fazer promessas que não conseguirei cumprir. Hoje, meu desejo é provar, não para quem me cerca, mas para mim mesma que eu sou capaz de andar com minhas próprias pernas e ser feliz com o que possuo, pois só assim eu conseguirei alcançar o que desejo, que é ficar frente a frente comigo mesma e esclarecer uns fatos que até hoje eu não consegui entender. Quero olhar no fundo dos meus olhos e poder dizer que eu não estava errada ao tomar certas atitudes e jogar esta culpa para bem longe do meu coração. Quero poder admitir que sou livre e que não tenho porque me aprisionar em uma jaula e jogar a chave fora. Eu não posso permitir isso, eu preciso é me lançar de um penhasco com a certeza de que aprenderei a voar antes de chegar ao chão e assim, sentir a tão sonhada liberdade. Imploro todos os dias ao universo, que me dê a direção, pois não basta ter a chave, é preciso saber em qual fechadura colocá-la e para qual lado girá-la, mas já fico feliz por ter tido coragem de admitir que preciso sair da gaiola e acreditar mais na minha capacidade e no meu talento, pois quando a hora certa chegar eu terei coragem o suficiente para ir de encontro a tudo o que sonhei, pois eles, os meus sonhos, continuam guardados naquela caixa de memórias que só eu sei onde está, apesar de achar que eles não são o combustível que me mantêm viva, eu ainda quero... Que me perdoem as pessoas a quem magoei, pois sei da minha instabilidade emocional e não tenho vergonha de admitir que eu não sou perfeita e que preciso de um colo de vez enquanto. Com todas as minhas forças, eu estou buscando o equilíbrio para que quando chegar a hora do encontro, eu possa olhar e dizer que sou o desejo realizado em meio as traições do destino.

Silvana Hennicka