segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Um Triste Fim

Marina era a pessoa mais feliz que poderia ter existido na pequena cidade onde vivia. Apesar de tudo o que lhe acontecera, ela ainda sorria. Quando a morte se fez próxima, ela a espantou com um belo sorriso nos lábios e um brilho que só ela possuía. Quando seu marido resolveu trocá-la por outra pessoa, Marina chorou... chorou por todos os momentos bons que viveram juntos e um dia ela entendeu que tudo acaba e que fica o que foi bom. As coisas ruins devem ser descartadas e excluídas, como os restos de comida que já não pode mais ser aproveitado e acaba parando em um lixão qualquer, um lugar onde apenas os abutres se sentem em casa. O problema é que Marina já não sabe o que lhe faz bem e o que lhe faz mal. Após mais uma decepção, mais uma falsa esperança, seus sonhos foram novamente destruídos e ela se voltou para dentro do casulo de onde havia se libertado. Ela tinha a sensação de que "ele" só se sentia feliz quando ela estava triste. Chegou a pensar que não era boa o suficiente para estar ao lado de seu Ulisses, seu grande amor, ou sua grande agonia? Quando conheceu Ulisses, Marina pensava ter encontrado seu príncipe e ao lado dele, ela sonhou, sonhou, sonhou e planejou. A casinha na serra deveria possuir uma lareira e uma cadela chamada Zaruk para que Ulisses se distraísse enquanto ela digitava mais algumas palavras, afim de terminar outro livro, ou simplesmente deixar gravado na tela do computador, mais um momento feliz, em forma de poema. Após algum tempo de felicidade extrema e incessável, as coisas começaram a ficar estranhas. Ela começou a descobrir que Ulisses não era um príncipe, mas sim um mistério e as mentiras começaram a deixar os sonhos soltos pelo ar. Uma nuvem de incerteza e desespero tomou conta de seu corpo frágil, quando ela ouviu dos lábios de seu Amor, que ele já não a queria por perto, que era hora de cada um seguir seu rumo. Por mais que ele a amasse, não conseguiu tê-la ao seu lado, não sabia o que queria para si. E quando ela achou que toda a dor do mundo já havia sido sentida em sua curta trajetória pela terra, Marina descobriu que o destino lhe havia reservado mais algumas gotas do veneno chamado "tristeza" e que a pessoa que ela mais amava, já não poderia dar-lhe a proteção prometida. Aquele sonho de envelhecerem juntos, já não poderia mais ser realizado, pois Ulisses, após muitas vezes fazer Marina chorar, decidiu mandá-la embora, pois seus atos de descaso e pouco amor a transformaram em uma mulher fria e sem sonhos e Ulisses não queria uma mulher assim ao seu lado.

- Silvana Hennicka!