segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Decidi Parar

Em uma bela manhã de primavera eu decidi parar: Parei de ser trouxa, de me importar tanto e de aguardar o futuro chegar para ser feliz. Eu decidi aceitar a minha idade e parei de competir com as amigas dos meus filhos. Eu aceitei que o que vivi já foi e parei de viver do que passou. Eu aprendi a recusar convites e parei de ter a obrigação de agradar as pessoas. Eu parei de procurar, parei de chorar, parei de fazer dietas, parei de achar que eu precisava ter amigos e comecei a entender que só tem amigos quem não precisa deles. Estou aceitando que não sou perfeita e parei de tentar esconder as marcas que o tempo está trazendo com ele. Estou cuidando mais de mim e parei de comer besteiras. Estou saindo menos e parei de achar que ficar em casa um fim de semana inteiro sem fazer nada é deprimente, afinal, eu amo a minha companhia. Eu parei de achar que os homens não prestam, que os filhos não crescem e que as paixões não acabam. Sei que um dia partirei e parei de fingir a morte não vai chegar. Já não me importo com o que pensam a meu respeito e parei de tentar entender o porque de algumas pessoas serem tão más. Parei de insistir em algo que já começou errado. Parei de permitir que o sistema me manipule. Parei de pensar em crise, guerras, desgraças e tristezas, pois eu quero ser feliz e para isso eu precisei parar. Como diz a Ana Carolina, eu parei de fingir que não me importo e parei de me importar mesmo! 

- Silvana Hennicka!