domingo, 3 de junho de 2012

Se eu estivesse no alto de um prédio, mais precisamente, no telhado, talvez eu pulasse. Eu poderia fazer isso apenas para sentir a emoção da queda, ou acabar com algo que me machuca, um espinho no coração, quem sabe? Alguma coisa me levaria a tomar essa atitude, a atitude de simplesmente me lançar, sem pelo menos ter um par de asas. Mas e se eu tivesse asas, será que eu pularia, será que eu saberia voar? Não me importam as respostas, pois eu não estou no alto de nenhum prédio e então, eu não poderei fazer nada a respeito da vontade de me tornar livre. Eu decidi que, para ser livre nesse momento, eu preciso apenas fechar os meus olhos e visualizar os meus desejos realizados e transformar meus sonhos em novos projetos. Há muito tempo eu quis gritar e falar o que penso sobre muita coisa e sempre tive medo, mas a partir de hoje eu sou uma mulher livre e nenhum fantasma do passado vai me atormentar mais. Agora eu já estou colhendo um por um, os frutos das árvores que plantei e que cuidei com tanto amor. Hoje eu posso gritar que eu não era feliz, que tudo aquilo me fazia mal. Hoje eu sei o que é a felicidade e é isso que eu quero perto de mim, é isso que eu quero que me acompanhe dias sem fim, noites sem fim....


Silvana Hennicka!!