sábado, 23 de junho de 2012

Coração pede Cautela


Ontem a noite eu olhei para o alto e percebi que a Lua havia se escondido e levado consigo as estrelas. Eu estava ali, com ele, feliz, olhando para o Céu, que demonstrava a sua tristeza por não ter nada que o fizesse brilhar. Eu estava brilhando, eu estava vibrando, ele fez isso comigo e não dei importância para o sumiço da Lua, que quando viu a minha alegria, foi chegando de mansinho, meio tímida, por trás das nuvens, enquanto as estrelas também começaram a se fazer presente... ele foi o meu presente, a pessoa especial pra mim, que me encantou no primeiro instante e se manteve assim, o homem ideal... Então, por que tenho medo? Por que tenho a sensação de que, mais uma vez não é real? Eu quero, mas meu coração pede cautela, não sei ter cautela, preciso me arriscar, me lançar, sentir a adrenalina que faz meu peito pulsar mais e mais. Quero em teus braços me perder e ter você navegando no meu corpo, mas e o medo...? O que faço com o medo que me confunde? Agora preciso pensar, refletir e mandar essas coisas que confundem a minha mente para o mesmo lugar onde a Lua estava, mandar tudo isso pra trás das nuvens e assim, aproveitar os momentos alegres que você me proporciona e acreditar que eu ainda tenho o direito de amar e sentir novamente as emoções de uma grande paixão, sem esperar que acabe, sem esperar que se perca... apenas viver as sensações que você pode me proporcionar, mas e se você não veio pra ficar e se não souber me amar? O que vou fazer quando você partir e o que direi ao meu sofrido coração, que prefere se manter na solidão a ter que se arriscar nessa coisa incerta que envolve os relacionamentos? Preciso pensar, respirar, esperar, preciso esperar você chegar e me mostrar que o medo que sinto, nada mais é, do que a armadura que envolve o meu coração a fim de não mais fazê-lo sofrer! 

- Silvana Hennicka