segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Acordar feliz é sinônimo de um ótimo dia e é por isso que eu quero desejar felicidade para todas as pessoas que passam por aqui e perdem um tempinho lendo o que escrevo. Quero desejar que a energia criadora os envolva com sua luz e lhes dê sempre a capacidade de ir em direção aos seus sonhos e que esses homens maravilhosos que sabem tratar uma mulher com respeito e fidelidade tenham em troca muito amor e dedicação. Quero pedir para que as mulheres não desistam do amor, pois, por mais que lhe pareça impossível, o amor ainda é um sentimento pelo qual vale a pena esperar. 


Silvana Hennicka

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Ficar sentado olhando para a plantação esperando a chuva, não significa perder tempo, mas sim acreditar que ela virá mais cedo ou mais tarde. Não desista daquilo que hoje lhe parece impossível, espere, um dia acontece, pois a única coisa que persiste é a eternidade!
Silvana Hennicka!

A Simplicidade da Sedução!!

Para que esse domingo comece com menos melancolia, eu gostaria de ajudar as minhas amigas a seduzir seus homens. Decidi postar aqui, algumas coisas do nosso cotidiano, mas que os homens acham sexy.

Quando estamos com o cabelo molhado.
Quando usamos a camisa deles e mais nada.
Quando mordemos a pontinha do óculos.
Quando andamos pela casa de regata transparente e calcinha.
Quando temos um pouco de gordurinha localizada para que eles tenham onde pegar.
Quando sentamos no colo deles pra dar um beijo.
Quando deixamos um cheiro gostoso na casa após o banho.
Quando dormimos no peito deles e eles podem observar o nosso rosto.
Quando acordamos só de calcinha e nos espreguiçamos bem gostoso.
Quando lambemos os dedos após comer algo delicioso.
Quando andamos de pés descalços no chão frio.
Quando usando, vestido ou saia, nos esticamos para alcançar algo que está no alto.
Quando passamos os dedos entre os cabelos para tira-lo do rosto.


Não dispense aquela bela lingerie vermelha, mas use a simplicidade do dia a dia para fazer a diferença no seu relacionamento.




sábado, 4 de fevereiro de 2012

Queria voar como você para um lugar mágico, onde a existência da humanidade já não se faz importante e o mundo pode continuar girando, pois o meu coração pararia de bater no momento em que nossos lábios se tocassem.


Silvana Hennicka!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Uma Sociedade Doente

Continuo sobrevivendo em meio a essas pessoas de mentes vazias, que trombam umas nas outras nessa sociedade hipócrita e sem valor moral. Me revolta a falta de bom senso de seres que pensam que podem manipular uns aos outros e no fundo, não sabem nem porque estão aqui nesse planeta o qual estão destruindo. Banalizaram a morte, o sexo, o casamento, a fidelidade... Hoje se mata por centavos, por ofensas, por descuido e por uma falsa honra, que os homens já perderam faz tempo. Criaram a tal da corrupção benigna e pais não conseguem mais educar seus filhos. Sinto falta dos almoços em família e dos natais que não tinham sinônimo de consumo e bebedeira. Sinto falta de quando se namorava de mãos dadas e os beijos eram dados no escuro, para que os pais não ficassem sabendo. O mundo não vai regredir, a natureza não será salva e meu passado não vai resgatar a felicidade que eu sentia na época em que ser criança era muito mais do que jogar vide-game e navegar na internet, por isso eu vou sobrevivendo com essas pessoas que preferem viver só, em meio a multidão a ter que reconhecer a sua falta de perfeição e admitir que a aparência nada mais é do que um corpo que vai ficar velho e feio e não terá serventia pra nada no dia em que nossa alma ganhar liberdade.




quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

O Baú da Dor

Como uma simples peça de roupa pode bagunçar tudo aqui dentro do peito? Hoje eu abri um baú e senti que meu coração tentava sair de dentro de mim, ao me deparar com aquela camisola preta. Foi impossível não ver o filme que passou na minha cabeça, pois tudo ainda vivia em mim. Após sentir todas as emoções possíveis e perceber que eu precisava voltar a respirar, eu peguei a pequena peça de roupa e, em um gesto lento e involuntário a aproximei do meu rosto, para que, com o toque do tecido eu pudesse fechar meus olhos e sentir você. Lembrei das vezes em que você me amou após tirar com cuidado a pequena camisola preta que cobria o meu corpo nu e foi impossível não chorar. A vontade de fechar novamente o baú para nunca mais abrir, não foi grande o bastante para que eu conseguisse esquecer as noites de amor que tivemos e voltar assim, a fingir que sou forte o suficiente para não te querer mais. As vezes é bom relembrar e sentir que tudo valeu a pena, por mais que não tenha sido o suficiente para envelhecermos juntos ou morrermos abraçados. O nosso amor não foi maduro o bastante para superar o ciúme, as mentiras e as mágoas. O nosso amor foi sufocado pelo egoísmo e pela arrogância, de ambas as mentes que dominam nossos corpos. Se por um momentos nós tivéssemos ouvido nossos corações, talvez hoje nossas almas não estivessem aprisionadas longe uma da outra e nosso existir tivesse sido muito mais do que um simples nascer e morrer, sem termos aproveitado a sublimidade que a vida nos ofereceu. Eu queria ter um par de asas para voar até Deus e buscar a resposta, mas isso não me levaria de volta a você, pois as feridas ainda não viraram cicatrizes e sangram quando vejo no espelho o olhar de decepção pela sua falta de compreensão. Me resta agora, ter a coragem de tirar de perto do meu rosto a pequena camisola e devolvê-la ao baú, para que fique junto com o que sobrou da nossa história de amor, não correndo assim, o risco de que ela se perca no tempo, como aconteceu com os nossos corações.


Silvana Hennicka!!