sábado, 3 de dezembro de 2011

Minha Vida em Um Quarto Escuro

O meu inferno começou quando eu pensei que Deus havia mandado um anjo pra cuidar de mim. Esse anjo deveria ser o responsável pela minha volta por cima, pois eu já não tinha muito interesse em continuar viva, mas ele, Paulo Henrique, o meu ursinho, teria chegado na hora certa para injetar vida e esperança no meu corpo. Essa seria a mais linda história de amor e que poucas pessoas teriam o prazer de ver. Nós éramos como raios luminosos que se encontravam no céu e deixavam as noites mais lindas. Ele era a borboleta que fazia o meu jardim florescer. Era por ele que eu plantava flores e mais flores todos os dias. Era sua existência que me fazia acordar todas as manhãs e torcer para que os dias passassem mais rápido do que o normal, pois assim a distancia seria diminuída e nosso reencontro faria a saudade desaparecer por completo e o fogo que queimava nossas almas seria apagado quando nossos corpos se tornassem um só. Sempre achei que tudo o que é perfeito demais deveria ser motivo de cautela, mas em relação a isso, eu me fiz cega, eu não quis ver nada além daquilo que eu estava idealizando e foi aí que eu “pequei”, eu me recusei a enxergar e me deixei enganar por uma pessoa totalmente desprovida de consciência, mas que eu amava mais do que a mim mesma e não importava o quanto ele me maltratasse, eu ainda queria viver aquilo que eu pensava ser o meu futuro e os meus sonhos realizados. Eu só não consegui perceber que não eram sonhos, eram pesadelos e que eu corria o risco de nunca mais acordar.

Silvana Henncka!!