sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Um Singelo, "Obrigado"

Poucas pessoas que visitam este site, sabem o quanto eu lutei para continuar nesse mundo. Foi um período bem difícil da minha vida, oito sessões de quimioterapia e dois meses de radioterapia, mas que, graças a minha vontade de viver, foi superado. Durante a luta contra o câncer, eu contei com a ajuda de várias pessoas, porém, meus amigos sumiram, ou quase todos, mas não é sobre amigos que eu quero falar hoje... quero falar sobre um anjo, carinhosamente chamado de "Doutor Esperança" que faz jus ao título, pois dedica a sua vida em função de amenizar o sofrimento de seus pacientes. Quando eu descobri a doença, a primeira coisa que pensei foi sobre quem iria cuidar de mim e do meu corpo. Eu tinha medo das cicatrizes físicas e emocionais, mas um homem chamado Reno Paulo Kunz, me fez sentir tranquilidade e confiança. Lembro-me do dia em que cheguei ao seu consultório e lhe disse que estava em jejum para a cirurgia. Ele me olhou e falou que precisava marcar primeiro, pois eu precisava de uns exames, mas eu não arredei o pé e o convenci a fazer o procedimento logo após os exames ficarem prontos, horas depois. Desenvolvi por ele um carinho muito especial e hoje o considero muito mais do que apenas meu cirurgião, eu o considero meu amigo, um amigo que, mesmo depois de curada, eu sei que posso contar. Talvez seja pela existência desse anjo, que os fantasmas que carrego comigo todos os dias, estejam mais leves. Um homem que abandonou a faculdade de Medicina Veterinária e decidiu ser médico após ver o sofrimento do irmão caçula, que morreu de câncer em 1975, quando pouco se sabia sobre a doença. Em sua trajetória de 54 anos, ele sofreu ainda a perda do pai e do filho, de apenas 25 anos. Não estou aqui para contar a vida do querido Dr. Reno, queria apenas agradecer por ele ter mudado de profissão, pois isso pode ter significado a minha vida e a vida de muitas outras pessoas que passam pelas suas mãos todos os dias. Obrigada por tudo.
Quero fechar este post com uma frase do próprio Reno. 


"Cabe ao médico fazer a coisa certa e ser humilde o suficiente para saber que em determinada situação o seu limite chegou. Quando jovens, somos mais impetuosos. A vida vai nos lapidando e aprendemos que não somos deuses".


Silvana Hennicka!!